Não conheço missão maior e mais nobre que a de dirigir as inteligências jovens e preparar os homens do futuro disse Dom Pedro II

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

TECNOLOGIA - Saiba quais programas consomem mais banda #Dica

Software como o Netlimiter Lite permitem verificar quais programas instalados mais usam a conexão e os endereços IP acessados


Por
Redação INFO, de INFO Online            





Sua conexão com a rede está lenta, mas você não sabe por quê? Uma forma de descobrir o que está acontecendo e apontar o culpado é usando um programa como o Netlimiter Lite. Basta rodá-lo e uma lista de todos os programas em execução é exibida, indicando o quanto cada um deles usa da conexão. O Netlimiter mostra também os endereços IP acessados pelos processos em execução, uma informação que pode ser útil para verificar falhas de segurança no computador Dicas relacionadas



Priorize as conexões que demandam mais banda
Compartilhe a rede sem fio pelo Windows
Faça uso inteligente da banda nos downloads
Seu BitTorrent ganha um controle remoto
Transforme seu notebook em um roteador
Torrent para ajudar download em 3G
Downloads sem afetar desempenho
Dê uma força extra aos downloads
Mais firmeza nas conexões à web


 Fonte Revista INFO http://info.abril.com.br/dicas/internet/banda-larga/saiba-quais-programas-consomem-mais-banda.shtml


           

'ECONOMIZANDO' - Câmara gasta R$ 12 mi com novos computadores

Sob o argumento de que é preciso economizar papel, a Câmara dos Deputados irá instalar 800 computadores fixos nas bancadas de seus 16 plenários, além de adquirir 4.000 micros para renovar o estoque dos gabinetes e das dependências da Casa, informa reportagem de Maria Clara Cabral

Ao custo de R$ 12,2 milhões, a medida será tomada apesar de cada um dos 513 deputados já possuir quatro computadores de mesa nos gabinetes, além de um laptop com acesso à rede sem fio da Câmara. 

Os parlamentares, que normalmente são vistos com aparelhos próprios de última geração, também deverão ganhar tablets para uso no plenário principal.

A ideia é instalá-los em todas as bancadas para que o sistema de votações seja acompanhado online. Hoje a votação já pode ser acompanhada em dois grandes painéis e em monitores menores.

Editoria de Arte/folhapress



 fONTE FOLHA http://www1.folha.uol.com.br/poder/1014140-camara-gasta-r-12-mi-com-novos-computadores.shtml

FIM DO IMPOSTO SINDICAL - CUT contra todos no debate

As centrais sindicais e as confederações patronais criticaram a proposta de criação de uma contribuição negocial para substituir o chamado imposto sindical. No debate sobre o assunto promovido pela Comissão de Trabalho da Câmara, nesta terça-feira (29), apenas a Central Única dos Trabalhadores (CUT) defendeu a proposta do deputado do DEM, Augusto Coutinho (PE).

O representante da CTB, Joilson Cardoso, defendeu o sistema organizativo brasileiro como um dos melhores do mundo, destacando que não deve a nenhum país do mundo. “Os modelos outros de sindicalismo estão amargando crises”.

Ele disse que “essa matéria é colocada, como outras tantas, dentro de uma perspectiva pontual. Mexer com ela mexe com o pacto social, inclusive o de reconhecer a importância do movimento sindical”. E criticou o fato do debate do fim da contribuição ser colocado “de forma criminal, porque quer mexer na estrutura, que tem lá suas mazelas, mas que está dando certo”.

Para impedir a existência de sindicatos “de carimbo”, Cardoso disse que “o nosso papel é alertar os trabalhadores de que devem destituir as diretorias e torná-los (os sindicatos) combativos”, destacando que a contribuição sindical não é a principal receita dos sindicatos; representam apenas 30% das receitas e tem sindicatos que devolvem os valores. A extinção do imposto vai atingir os pequenos sindicatos.

O vice-presidente da Confederação Nacional do Comércio, deputado Laercio Oliveira (PR-SE), e o representante da Confederação Nacional da Agricultura, Cristiano Barreto, defenderam a manutenção da unicidade e da contribuição sindicais.

Segundo Barreto, o projeto da contribuição negocial não tem segurança jurídica, podendo ser derrubado no Judiciário. Entre os pontos polêmicos, ele destaca a determinação de que a contribuição negocial seja cobrada também dos trabalhadores não filiados a sindicato, como retribuição por terem sido representados por esses órgãos em negociações coletivas.

Laercio Oliveira acrescentou que o País precisa redesenhar o financiamento sindical, mas esse redesenho deverá ser melhor discutido e construído conjuntamente para que se tenha sindicatos patronais e de trabalhadores cada vez mais fortes.

Vozes destoantes
O procurador do Ministério Público do Trabalho Ricardo Pereira afirmou que a atual contribuição sindical já teria esgotado a sua capacidade de financiamento para essas entidades. Segundo ele, é importante que se aprove a contribuição negocial para, segundo ele, obrigar os sindicatos a negociar condições concretas de melhoria para os trabalhadores.

O secretário-geral da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Quintino Severo, foi o único representante de central sindical a defender a criação de uma contribuição negocial para substituir o chamado imposto sindical. Severo lembrou que na época da sanção da lei que reconheceu as centrais sindicais, em 2008, várias dessas entidades assumiram o compromisso de defender a substituição do imposto ou contribuição sindical por uma contribuição negocial.

Segundo Severo, agora apenas a CUT mantém a sua parte no acordo. Ele sustenta que a atual contribuição sindical e a unicidade sindical só têm servido para dividir os trabalhadores, criar novos sindicatos e fraudar a atividade sindical. “A CUT propõe que por meio dessa contribuição negocial o País possa avançar no poder de negociação articulada nacionalmente”, argumenta.


Fonte Correio do Brasil
http://correiodobrasil.com.br/cut-contra-todos-no-debate-sobre-fim-do-imposto-sindical/335135/

CRISE - American Airlines pede concordata, mas garante voos


A AMR, controladora da gigante aérea, tem patrimônio de US$ 24 bilhões e dívida de US$ 29 bilhões

REDAÇÃO ÉPOCA COM AGÊNCIA EFE

Avião da American Airlines é fotografado no aeroporto Dallas-Fort Worth, em Grapevine, no Texas (Foto: Tony Gutierrez / AP)

A AMR, empresa controladora da American Airlines, anunciou nesta terça-feira (29) seu pedido de concordata, em uma tentativa de reduzir a enorme dívida da empresa e também os custos trabalhistas que ela possui atualmente. Ao mesmo tempo, a AMR afirmou que tem dinheiro em caixa para manter as operações da gigante aérea e da American Eagle, subsidiária pertencente ao mesmo grupo.

A AMR afirmou em comunicado que declarou uma moratória no tribunal de Manhattan para reestruturar sua dívida e ganhar em competitividade. A American Airlines, com presença em mais de 50 países, faz uso do capítulo 11 da legislação americana que regula os processos de falência e permite manter as operações normais do negócio.

O aumento dos custos trabalhistas e do preço do combustível elevou a dívida da companhia aérea, que teve perdas de US$ 162 milhões no terceiro trimestre deste ano. Os ativos da companhia estão avaliados em US$ 24,7 bilhões, frente ao passivo de US$ 29,5 bilhões.

A reestruturação da American Airlines, que tem 78 mil empregados, inclui a nomeação de um novo executivo-chefe, Thomas Horton, presidente desde julho e antigo diretor financeiro. "Tenho certeza que a American emergirá mais forte como um líder mundial conhecido por sua excelência e inovação", ressaltou Horton no comunicado.

As ações da companhia aérea caíam nesta terça-feira mais de 60% nas negociações eletrônicas prévias à abertura de Wall Street



Fonte Epoca http://revistaepoca.globo.com/Negocios-e-carreira/noticia/2011/11/american-airlines-pede-concordata-mas-garante-voos.html

COPA 2014 - Parreira diz: “É inimaginável o Brasil não ganhar uma Copa em casa de novo”

 
Uma das mesas-redondas mais animadas de hoje na SoccerEx (a convenção mundial sobre futebol que acontece entre uma Copa e outra) foi a que reuniu os ex-jogadores Carlos Alberto Torres, Carlos Alberto Parreira e Dejan Petkovic (o Pet), entre outros nomes.
Torres foi quem teceu críticas mais diretas: “A seleção tem que ter uns cinco ou seis jogadores com experiência de competições grandes, com uma Copa anterior. E só vejo uns dois atletas com esse perfil lá: o Kaká e o Júlio Cesar. E ainda não existe uma figura forte o suficiente para ser capitão”
Parreira completou: “O Mano pode testar jogadores até as Olimpíadas. É o limite para formar um time, já que estamos em desvantagem por não ter os jogos das eliminatória. Precisamos ganhar essa Copa. É impensável, é inimaginável que o Brasil não ganhe uma Copa em casa pela segunda vez.”
Pet disse que alguns jogadores foram testados antes do tempo. “Mas estou confiante, pois há muitos talentos por aqui”
por Paula Neiva


   

ImPERÍCIA NO RIO - Ninguém explica acidente com catamarã e tarifa pode aumentar

Ninguém explica acidente com catamarã e tarifa pode aumentar
Agetransp, responsável pela fiscalização, estuda um aumento de R$ 2,80 para R$ 4,70 na tarifa Rio-Niterói

Isabel de Araujo
Waleska Borges
Marcelo Dias


Passageiros formam longas filas no terminal da Praça Arariboia, em Niterói Márcia Foletto / O Globo

RIO - Um dia depois do acidente de segunda-feira, que deixou 65 feridos, as causas da colisão do catamarã social Gávea I contra um píer desativado na Praça Quinze ainda são um mistério. Nem a concessionária Barcas S/A — que arrematou o serviço por cerca de R$ 33 milhões em 1998 e tornou-se detentora do monopólio em 2009 — soube explicar o choque. Apesar dos problemas enfrentados pelos passageiros, a Agência Reguladora de Transportes (Agetransp), responsável pela fiscalização, estuda um aumento de R$ 2,80 para R$ 4,70 na tarifa Rio-Niterói. O estado informou, porém, que não permitirá reajuste neste percentual (67,8%). Ágil quando o assunto é aumento, a agência julgou apenas 11 dos 30 processos abertos contra a concessionária em 2010 e 2011, período em que foram aplicadas multas no valor de R$ 1.441.780,09. A agência não informou quanto desse montante foi pago.

As soluções para os problemas ainda demoram. O governo do estado informou, por meio de nota, que a aquisição de 11 novas embarcações, anunciadas ano passado, não tem data para acontecer. Segundo o estado, a aprovação do empréstimo de cerca de R$ 350 milhões deverá ser concluída até janeiro de 2012, quando então poderá ser aberta a licitação para compra das barcas.

Veja também
Veja galeriaAcidente com barca deixa passageiros feridos
Vídeo Barca bate na Praça Quinze
Barca envolvida em acidente deve ficar 10 dias fora de operação

A concessionária que administra o serviço diz que está operando abaixo de sua capacidade para atender à demanda diária que quase 100 mil passageiros. A maré poderá melhorar com a aquisição das embarcações da Transtur, que depende ainda de um processo de desapropriação pelo estado. De acordo com o governo, já foram realizadas as avaliações periciais e judiciais. O estado desapropriará uma barca no próximo mês e a segunda, assim que for reformada pela Transtur.

Usuário deve evitar horário de pico
A colisão de segunda-feira tirou de circulação uma embarcação e provocou a interdição de duas pontes de embarque. O acidente reduziu para 80% a capacidade da concessionária. A Barcas S/A pede que, nos próximos dias, os usuários evitem utilizar o serviço nos horários de pico. A mesma solicitação já foi feita em abril de 2009, um dia depois de um quebra-quebra na Praça Quinze, motivado por atrasos nas embarcações e excesso de passageiros.

Na terça-feira, pelo menos, o pedido foi ignorado, e o cenário nos acessos à Estação Arariboia, em Niterói, ficou caótico. Longas filas se formaram entre 7h e 9h. Os usuários chegaram a aguardar até 30 minutos para conseguir embarcar. Para passar o tempo, o assunto não poderia ser outro: o que teria provocado a colisão foi a pergunta que mais ouvida no saguão.

Por meio de nota, a Capitania dos Portos informou que as causas serão conhecidas em até 90 dias, com a conclusão do inquérito sobre o caso. A capitania também esclareceu que a Gávea I, após reparo, necessitará ser submetida a nova inspeção pelo órgão.

O gerente de logística e relacionamento com o cliente das Barcas S/A, Mário Góis, disse que o acidente está sendo analisado pelos técnicos da empresa. Ele rebateu as acusações de que os tripulantes demoraram a atender as vítimas e informou ainda que o Gávea 1 deve ficar pelo menos dez dias fora de operação.

A concessionária afirma que, no último mês, houve um aumento de 20% na demanda por causa das obras do projeto Porto Maravilha, que têm acarretado longos engarrafamentos na Ponte Rio-Niterói e seus acessos. Somente com passagens, a concessionária arrecada R$ 320.400 por dia. No entanto, a empresa informa que a previsão é de fechar o ano no vermelho, com prejuízo de R$ 27 milhões.

Para o professor do Departamento de Engenharia da PUC-RJ José Eugênio Leal, a concessão não foi um bom negócio para a Barcas S/A:

— Do ponto de vista do operador, a concessão foi a pior possível. A Barcas tem que arcar com tudo, desde a manutenção até a aquisição de novas embarcações. Acredito que a empresa privada quis assumir a concessão para evitar concorrência e se atrapalhou.

Sindicato diz que falta treinamento

Leal acrescenta que o governo estadual e a concessionária devem priorizar o bom senso.

— Estamos falando de um transporte de massa. Nesse caso, o estado não tem a obrigação de intervir, mas pode colaborar. A Barcas também deve negociar.

O engenheiro Fernando Macdowell lembra ainda que, para o bom funcionamento do sistema de transporte marítimo, há necessidade de um plano integrado de transportes. Ele conta que, na década de 80, quando foi contratado pelo governo estadual para fazer um estudo sobre o assunto, sugeriu que os deslocamentos do Rio fossem semelhantes aos de Vancouver, no Canadá.

— Há necessidade de compatibilizar o transporte marítimo com o metrô. Atualmente, também falta flexibilidade operacional à Barcas.

Já o presidente do Sindicato Nacional dos Oficiais da Marinha Mercante (Sindmar), Severino Almeida Filho, alertou para o risco da falta de treinamento da tripulação:

— É inexplicável que o catamarã tenha se aproximado do píer sem que fosse permitida nenhuma manobra. A embarcação deveria estar numa velocidade superior à recomendada. Esses profissionais devem passar por cursos que simulam acidentes e os procedimentos rápidos que devem adotar. Mas esse investimento no profissional não existe. Com isso, estamos abusando da sorte, com risco de vermos acidentes ainda muito maiores — comenta Severino Almeida, que acrescenta: — Não acredito que o acidente tenha sido por questão de máquinas ou equipamentos, mas sim de condições operacionais.

Apenas nos anos de 2010 e 2011, a Barcas S/A teve que responder a 30 processos regulatórios abertos pela Agetransp. De acordo com a agência reguladora, os principais motivos foram atrasos em viagens e problemas técnicos nas embarcações.

Ainda de acordo com a Agetransp, do total de processos aplicados, 11 foram julgados em sessão regulatória, mas dez são passíveis de recurso. Os outros processos estão em fase de instrução

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/ninguem-explica-acidente-com-catamara-tarifa-pode-aumentar-3350871#ixzz1fAh9VYBo


    

VAZAMENTO DA CHEVRON - Óleo que vazou no Rio pode contaminar Baía de Guanabara

Parte da substância recolhida do mar foi para um galpão em Duque de Caxias, escoou por ralos e atingiu o esgoto que chega na baía, diz a PF 

Sérgio Torres

Veja também:

Escoamento pode ser crime ambiental, diz delegado
Vazamento é de total responsabilidade da Chevron, diz ANP
Ministério Público pode exigir que Chevron pague mais indenizações


O petróleo que há 23 dias vaza na Bacia de Campos pode atingir o litoral do Rio de forma jamais imaginada pelos especialistas. Trazido do oceano em barcos, o óleo recolhido no mar foi depositado no galpão de uma empresa na Baixada Fluminense. Parte dele escoou por ralos para valas de esgoto que acabam desaguando na já poluída Baía de Guanabara, na altura do município de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

“Com certeza os responsáveis pela Contecom (empresa subcontratada para armazenar a água oleosa - mistura de água salgada e petróleo) serão autuados. Pode ser mais de um crime ambiental”, afirmou o delegado da Polícia Federal (PF) Fábio Scliar.
O delegado citou três artigos da Lei do Meio Ambiente em que a empresa pode ser enquadrada: causar poluição que possa resultar em danos à saúde ou provoque mortandade de animais ou destruição da flora; ter em depósito substância tóxica, em desacordo com as exigências estabelecidas em leis; fazer funcionar estabelecimentos ou serviços potencialmente poluidores, sem licença ou autorização dos órgãos ambientais.

Segundo ele, a americana Chevron, que havia contratado a empresa Brasco Logística Offshore, responsável pela subcontratação da Contecom, “não necessariamente será imputada”.

As dependências da empresa Contecom foram vistoriadas na noite de anteontem por agentes federais. Uma funcionária já prestou depoimento e, segundo o delegado, foi liberada após pagar fiança. Ainda não se sabe quanto petróleo escapou para os cursos d’água que seguem rumo aos Rios Sarapuí, Iguaçu e Estrela, já totalmente poluídos.

Até a Baía de Guanabara, o percurso médio entre a sede da empresa e o ponto em que os rios se encontram com os manguezais da baía é de 5 km.

Os registros da empresa indicam que nos dias 21 e 22 o galpão recebeu dois carregamentos, que somavam 80 mil litros de água oleosa, enviados em caminhões pela Brasco. A Contecom faria o tratamento da mistura.

O advogado da Contecom, Bruno Rodrigues, disse ontem que não houve vazamento do óleo armazenado na “piscina” do galpão. Ele negou que a água oleosa tenha escorrido pelos ralos. Segundo ele, a empresa não separaria água e petróleo. Seria tarefa de outra empresa “parceira”.

“A PF está investigando e quer saber o destino do óleo. Só que se complicou nesta história porque a Contecom não trata o óleo, só armazena e repassa. Então, não houve vazamento, isso não existe. Estão falando muitas coisas com base em achismo. Não há prova pericial”, disse o advogado.

De acordo com os peritos da PF, o óleo vazou por pelo menos um buraco na barreira de contenção da “piscina”, que estava visualmente lotada, apesar de a capacidade anunciada ser de 90 mil litros. Ao ultrapassar a barreira, a mistura escorreu pelo pátio, em direção aos ralos. Dali atingiu as galerias pluviais e as redes clandestinas de esgotos.

 / COLABOROU FELIPE WERNECK

ABSOLVIDO - TSE livra governador de Roraima da perda de mandato

Anchieta Jr. (PSDB) era acusado por atacar adversário na rádio oficial.
Governador ainda responde a outro processo de cassação no TSE.

Débora Santos Do G1, em Brasília

 
O governador José de Anchieta Júnior
(Foto: Presidência da República)


Por 6 votos a 1, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) arquivou nesta terça-feira (29) o processo de cassação do governador de Roraima, José Anchieta Júnior (PSDB), e de seu vice Francisco de Assis Rodrigues. Reeleito para o cargo em 2010, Anchieta Júnior foi acusado de usar a Rádio Roraima, veículo do governo local, para fazer propaganda negativa contra o segundo colocado na disputa, Neudo Campos (PP).

As declarações que chamavam o adversário de "ficha suja" foram feitas por um jornalista em um dos programas da rádio controlada pelo governo. As denúncias, feitas por Neudo Campos, levaram o Tribunal Regional Eleitoral de Roraima (TRE-RR) a cassar o mandato do governador, em fevereiro deste ano. Anchieta Júnior nega as acusações (leia abaixo) e recorreu ao TSE. Até agora ele permaneceu no cargo por decisão liminar do ministro Arnaldo Versiani, relator do caso.

 saiba mais
Ministério Público defende cassação de governador de Roraima
TRE de Roraima cassa diploma do governador José de Anchieta Júnior

Versiani votou pelo arquivamento do processo contra o governador de Roraima, por uma questão processual. Para o ministro, o jornalista que fez as referências a Neudo Campos na rádio ligada ao governo deveria ter sido incluído como parte do processo, por ser autor da suposta irregularidade.

"Não se consegue imaginar hipótese em que o agente público, por ela citado, não seja chamado para integrar a lide. Não se pode julgar se houve conduta vedada ou não pela falta de defesa do acusado", disse o relator.

O voto do relator foi acompanhado pela maioria dos ministros que entenderam como "fundamental" a participação no processo do jornalista que fez as declarações contra o adversário do governador.

"Se o autor da conduta não está nos autos estamos falando de um beneficiário, sendo que a descrição é da conduta e o autor dessa conduta não aparece. Teria sido imprescindível o comparecimento [do jornalista no processo]", afirmou a ministra Cármen Lúcia.

Somente o ministro Marco Aurélio Mello votou pela manutenção do processo. "Não vejo, de início, com se apenar um servidor que atue sob orientação do que detém nas mãos a administração, beneficiando esta ou aquela candidatura", disse.

O governador de Roraima ainda não está totalmente livre da cassação, por que responde ainda a outro processo no TSE. Neste caso, ele responde por abuso de poder econômico e político, abuso de autoridade e uso indevido meio de comunicação. A acusação também foi apresentada por Neudo Campos e terá de ser examinada pelo plenário do TSE

 fonte g1 http://g1.globo.com/politica/noticia/2011/11/tse-livra-governador-de-roraima-da-perda-de-mandato.html

ACABOU A MAMATA - Após denúncias, Hospital Regional já perdeu 50 médicos em Sorocaba, SP

Demissões começaram após irregularidades descobertas há quatro meses.
Hoje, vítimas de acidentes esperam horas por atendimento.

Do G1 Sorocaba e Jundiaí
 


Nesta terça-feira (29), quatro trabalhadores que se envolveram em acidente em uma rodovia de Sorocaba, interior de São Paulo, ficaram sem atendimento. As ambulâncias levaram os homens para o Hospital Regional, mas, quando chegaram, não havia médicos. Os socorristas do Samu - Serviço de Atendimento Médico de Urgência, chamaram a polícia e registraram um boletim de ocorrência de preservação de direitos.

Dois dos quatro feridos que tiveram de esperar por atendimento no Hospital Regional foram levados para um hospital particular. Os outros dois foram atendidos no próprio Conjunto Hospitalar.

A paciente Nilda da Silva Santos, que também integra o Conselho de Saúde, confirmou ao TEM Notícias que faltam médicos e que há poucos infectologistas trabalhando no local. Já a direção disse que o problema foi pontual - um erro na escala que foi corrigido ainda pela manhã. Mas a verdade é que a situação é ainda pior e difícil de contornar: muitos médicos estão pedindo demissão. Só na última semana, foram quatro.

Os pedidos de demissão começaram em julho, quando o hospital sofreu uma intervenção depois das denúncias de que alguns profissionais recebiam sem trabalhar. Na época, o Hospital Regional tinha 450 médicos. De lá para cá, 50 já pediram para sair.

O diretor do Conjunto Hospitalar, Luís Cláudio de Azevedo, disse que está difícil recompor o quadro de especialistas. “A única forma que nós temos de contrato, atualmente, é o concurso público, que leva um tempo e tem todos os seus trâmites. Não é um evento imediato”. Luís Cláudio acrescentou que está reabrindo o concurso e que isso tende a melhorar e normalizar ao longo de 2012.

A assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Saúde confirma a falta de profissionais no setor de infectologia. Alguns profissionais pediram demissão e a agenda de atendimento foi reduzida. Ainda de acordo com a assessoria, os pacientes de Sorocaba estão sendo encaminhados para o serviço municipal, mas o atendimento de pessoas de outras cidades continua sendo realizado no Conjunto Hospitalar

terça-feira, 29 de novembro de 2011

AMOR E CARINHO EM JOÃO PESSOA-PB : Lino, Cão arrastado na Paraíba aguarda adoção em clínica veterinária . Interessados telefone (83) 8721-3149

Animal foi arrastado por 700m com saco na cabeça em rua da capital.
ONG aguarda contato de pessoas que desejem adotar o cachorro.

Inaê Teles Do G1 PB


Lino foi resgatado nesta terça-feira (29) e aguarda adoção em um clínica veterinária de João Pessoa (Foto: Inaê Teles/G1)

Após um bom banho e muito carinho, Lino, o vira-latas arrastado por cerca de 700m em uma rua de João Pessoa, agora recebe cuidados em uma clínica veterinária e aguarda adoção. O animal foi resgatado nesta terça-feira (29) por Michelle Oliveira, que é integrante da Associação de Proteção Animal Amigo Bicho.

Um cinegrafista amador flagrou um homem arrastando o cão por uma rua asfaltada em João Pessoa na segunda-feira (28). O animal estava sendo puxado por uma corda e ainda tinha um saco plástico fechado na cabeça que impedia a respiração. Michelle viu as fotos da agressão no G1 e resolveu ir até o local para cuidar do animal. “Fiquei estarrecida com o que vi e hoje fui até lá para pegá-lo”, disse.

No bairro, uma moradora também ficou sensibilizada com a situação do vira-latas. “Eu vi quando ele veio até a minha porta procurando comida. Então dei ração e água. O bichinho estava muito machucado. Ajudei porque tive pena”, disse Letícia Alves que prestou os primeiros socorros ao cão.


Letícia Alves alimentou Lino enquanto ele estava
na rua (Foto: Inaê Teles/G1)

Letícia contou que logo em seguida Michelle apareceu na sua porta procurando pelo cachorro. Com a ajuda de outros moradores o animal foi resgatado e levado até uma clínica veterinária. “Ele estava com medo e acabou tentando morder a gente, mas um morador colocou uma luva e conseguiu pegá-lo”, disse Michelle.

O veterinário Eclenilson José explicou que o animal tomou um banho com anticéptico e também passou por exames. “Foi constatado que o cão está com sarna, várias escoriações que podem ter sido provocadas pela agressão e ainda diversas mordidas de pulgas pelo corpo. Ele está muito assustado e a princípio não tem calazar”, segundo o veterinário. Dentro de dez dias deve sair o resultado do exame que identifica se o animal tem calazar.

Michelle afirmou que quer punição para o homem que foi flagrado arrastando o cão.Se ele não for preso vai acabar fazendo isso com outros animas ou até pessoas. Existem leis contra maus-tratos”, disse.

Michele com Lino após o resgate
(Foto: Inaê Teles/G1)


De acordo com Michelle, até as 17h (horário local) apenas uma pessoa entrou em contato com a ONG interessada em adotar o cão, que foi batizado por ela com o nome de Lino. As pessoas que quiserem adotar o animal devem entrar em contato pelo telefone (83) 8721-3149.
Michelle trabalha voluntariamente resgatando cães debilitados que ficam nas ruas de João Pessoa. Os integrantes da ONG levam os cachorros para serem tratados em clínicas veterinárias e depois levam para suas casas para os animais serem adotados. “Não tem preço. Eu fico feliz”, disse.

Flagra Em contato com o G1, o cinegrafista amador que flagrou a ação contra o cão disse que quando rasgou o saco plástico viu o animal desmaiado e tentou ligar para policia. Ele explicou que não era trote, mas nenhum policial esteve no local. Somente após sua abordagem o agressor foi embora deixando o cão para trás.

Lino foi arrastado com um saco na cabeça por cerca de 700m em uma rua de João Pessoa (Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal)

 Fonte g1 http://g1.globo.com/paraiba/noticia/2011/11/cao-arrastado-na-paraiba-aguarda-adocao-em-clinica-veterinaria.html

CORRUPÇÃO - Primeira-dama e filhos de prefeito de Limeira deixam prisão. Moradores estão revoltados

Primeira-dama e filhos de prefeito de Limeira deixam prisão
Moradores revoltados protestaram contra a saída dos acusados da prisão
O Globo, com EPTV

SÃO PAULO - A primeira-dama de Limeira, Constância Félix, e os dois filhos Maurício e Murilo Félix, deixaram a prisão durante a madrugada desta terça-feira, após cinco dias detidos. A mulher do prefeito Silvio Félix (PDT) e outras dez pessoas haviam sido detidas na operação do Ministério Público em Limeira, cidade a 147 km da capital paulista, por suspeita de envolvimento em um esquema de lavagem de dinheiro, falsidade ideológica, sonegação fiscal e furto qualificado.
Ao deixarem a cadeia, os dois filhos do prefeito foram agredidos por populares, que protestaram contra a saída dos acusados da prisão.
- Não sei o que está acontecendo aqui fora, mas não vou comentar nada - disse Murilo.

Constância também foi hostilizada.Também deixaram a Casa de Custódia as irmãs da primeira-dama, Verônica e Lucimar Dutra.

Na noite desta segunda-feira, a Câmara Municipal aprovou o afastamento do prefeito Silvio Félix por 90 dias e a abertura de uma Comissão Processante (CP)

fonte o globo Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/pais/primeira-dama-filhos-de-prefeito-de-limeira-deixam-prisao-3344914#ixzz1f5seWKo0 

LEGAL,MAS IMORAL - Encontro de juízes em resort na Paraíba foi bancado por empresários, Petrobras, que ofereceu patrocínio de R$ 50 mil.




A prática já repudiada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) ainda se repete no Brasil: juízes federais se reúnem em congressos com agenda fajuta, em resorts paradisíacos, tudo pago com dinheiro de empresários. No mais novo caso noticiado pelo jornal Folha de S. Paulo nesta terça-feira (29), ministros do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça que foram os participantes de evento fechado em um resort na Paraíba com despesas pagas pela Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Nordeste (Fetronor). O evento foi realizado no último fim de semana. O "Terceiro Encontro Jurídico de Transportes Públicos do Nordeste" foi realizado no Mussulo Resort(vejam as fotos), no litoral do Estado, com diária para casal de R$ 609. Juízes e advogados que também participaram do evento também tiveram suas despesas pagas. O evento teve o apoio da Petrobras, que ofereceu patrocínio de R$ 50 mil. A Fetronor reúne oito sindicatos patronais, que representam mais de cem empresas de transporte urbano, metropolitano e rodoviário. Para o presidente da Associação dos Magistrados do Brasil (AMB), Henrique Nelson Calandra, o evento teve finalidade acadêmica. "Não vejo por que censurar. Significa que entidades da iniciativa privada acreditam que juízes podem dizer coisas importantes e investem para ouvir teses que podem ser contrárias às suas."

fonte Bahia Noticias http://www.bahianoticias.com.br/principal/noticia/106830-encontro-de-juizes-em-resort-na-paraiba-foi-bancado-por-empresarios.html
    

FICHAS SUJAS - Processos na Justiça ameaçam 11 governadores. @sergiocabralRj é um deles !!1

Processos na Justiça ameaçam 11 governadores 
Anchieta Jr. (RR) pode perder mandato nesta semana, por ordem do TSE; maioria é acusada de abuso de poder e uso ilegal de meios de comunicação

Mariângela Gallucci, de O Estado de S.Paulo
BRASÍLIA - O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pode definir nesta semana o futuro político do governador de Roraima, Anchieta Júnior (PSDB), acusado pelo adversário Neudo Campos de abuso de poder e uso indevido dos meios de comunicação na eleição do ano passado. O tucano é um dos 11 governadores eleitos ou reeleitos em 2010 que já enfrentam o risco de perder o mandato na Justiça.

Veja também:
Sarney nega rebelião no PMDB contra o Supremo
TSE divulga prestação de contas de campanha do Pará
Marco Maia diz que Câmara não é delegacia de polícia


Nessa lista do TSE - corte que cassou três governadores nos últimos tempos -, estão: Tião Viana (PT, governador do Acre); Teotonio Vilela (PSDB, Alagoas); Omar Aziz (PSD, Amazonas); Cid Gomes (PSB, Ceará); Siqueira Campos (PSDB, Tocantins); Wilson Martins (PSB, Piauí); Antonio Anastasia (PSDB, Minas Gerais); Roseana Sarney (PMDB, Maranhão); André Puccinelli (PMDB, Mato Grosso do Sul); e Sérgio Cabral (PMDB, Rio de Janeiro).

Na maioria dos processos, as acusações são de abuso de poder político e econômico e uso indevido de meios de comunicação. As defesas negam as supostas irregularidades. Se forem cassados, os políticos poderão se tornar inelegíveis e eventualmente poderão ser barrados em outras eleições com base na Lei da Ficha Limpa.

Abuso de poder e uso indevido dos meios de comunicação também foram as imputações feitas à governadora do Rio Grande do Norte, Rosalva Ciarlini (DEM), absolvida em outubro pelo TSE por falta de provas. O processo contra Rosalva foi o primeiro julgado pelo tribunal relacionado à eleição de 2010.


Ficha Limpa. Recentemente, o TSE cassou os mandatos dos então governadores Cássio Cunha Lima (do PSDB da Paraíba), Marcelo Miranda (PMDB, Tocantins) e Jackson Lago (PDT, Maranhão), que morreu em abril. Apesar da Lei da Ficha Limpa, que veda a candidatura de políticos cassados, Cunha Lima e Miranda disputaram em 2010 uma cadeira no Senado e Lago concorreu ao governo maranhense.

O tucano obteve votos suficientes, mas somente conseguiu tomar posse no início deste mês, depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) concluir que a lei não poderia ter impedido candidaturas no ano passado. Miranda tenta até hoje no STF garantir a posse como senador.

HORROR EM JOÃO PESSOA-PB : Cão é arrastado no asfalto por vários metros na capital da Paraíba

Animal foi arrastado por aproximadamente setecentos metros no asfalto.
Cão estava amarrado a uma corda e tinha um saco plástico na cabeça.            
Do G1 PB
Um cinegrafista amador flagrou um homem arrastando um cachorro pelo asfalto no bairro de Jaguaribe, na capital. O animal que foi arrastado por aproximadamente setecentos metros amarrado a uma corda e com a cabeça enrolada em um saco de plástico, estava machucado e sangrando. O agressor não foi identificado e disse ao cinegrafista que estava levando o cachorro para a carrocinha. (Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal)
 Um cinegrafista amador flagrou um homem arrastando um cachorro pelo asfalto no bairro de Jaguaribe, na capital. O animal que foi arrastado por aproximadamente setecentos metros amarrado a uma corda e com a cabeça enrolada em um saco de plástico, estava machucado e sangrando. O agressor não foi identificado e disse ao cinegrafista que estava levando o cachorro para a carrocinha. (Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal)

VAZAMENTO DA CHEVRON - Óleo da Chevron vazou para galerias pluviais de Caxias, dizem deputados, UM PRESO

Eles estiveram reunidos com o delegado responsável pelas investigações.
Chevron diz que empresa é subcontratada e tem licença do Inea.
Bernardo Tabak Do G1, no Rio 



Parlamentares que integram uma comissão externa da Câmara dos Deputados que acompanha as investigações sobre o vazamento da petroleira americana Chevron, afirmaram, na noite desta segunda-feira (28), que a água do mar misturada ao óleo vazou para o sistema de águas pluviais do município de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Segundo os deputados, o problema ocorreu dentro da empresa de manejo de resíduos industriais Contecom, que fica em Caxias.

“Os policiais federais verificaram que havia um reservatório na empresa, transbordando água com resíduo de óleo. Ao transbordar, vazou para os ralos das águas pluviais de Duque de Caxias”, afirmou o deputado federal Protógenes Queiroz (PCdoB/SP), relator da comissão. “Há materialidade para se afirmar isso”, complementou.

Por meio de nota, a Chevron informou que "a Contecom é uma empresa independente subcontratada pela Brasco, com aprovação da Chevron, para disposição final de resíduos, a qual possui licença de operação pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea)".

Funcionária presa Mais cedo, uma funcionária da Contecom foi presa em flagrante dentro da empresa, em Caxias. “Ela disse ser a responsável técnica da empresa”, afirmou o deputado federal Dr. Aluízio (PV-RJ), presidente da comissão. “Esse é um fato novo e extremamente grave. O óleo já chegou na Baixada Fluminense, em Caxias. O contrato da Chevron com a Contecom para recolher o óleo está sendo praticado sem o menor cuidado ambiental em terra firme”, criticou Chico Alencar (PSOL-RJ), que integra a comissão.

“Essas irregularidades foram flagradas pela polícia. Não há falha geológica ou problema natural que justifique”, afirmou Alencar. “E já existia uma grande quantidade de caminhões-tanque que estavam se dirigindo para a empresa, com mais água contaminada com óleo para ser beneficiada. Só que a empresa não tinha mais onde colocar”, complementou Protógenes. Os três deputados obtiveram as informações após uma reunião com o delegado Fabio Scliar, da Delegacia de Meio Ambiente e Patrimônio Histórico da Polícia Federal (Delemaph-PF), na noite desta segunda.

A Contecom seria a responsável por realizar o correto manejo e o beneficiamento da água contaminada com óleo.

O G1 tentou entrar em contato com a Contecom, mas ninguém foi encontrado.

Já a assessoria de comunicação da prefeitura de Duque de Caxias disse que não existe a possibilidade de contaminação de mananciais de água do município e que, se houver alguma contaminação, será em rios que deságuam na Baía de Guanabara.

Inea afirma que Contecom está regular Mais cedo, um carro do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), deixou o local, mas os técnicos não falaram com a imprensa. De acordo com a assessoia de imprensa do secretário de Meio Ambiente, Carlos Minc, no entanto, o Inea constatou que a Contecom está regular. Em nota, a Secretaria de Estado do Ambiente informou que os técnicos não encontraram irregularidades e que apoia "integralmente" a ação da PF.

"A Secretaria do Ambiente e o Inea afirmam que se o delegado da Polícia Federal Fábio Scliar encontrou outros tipos de irregularidades, em outros pontos, não há o que contestar", destacou a nota. "Não há em absoluto qualquer contradição entre a SEA/Inea e a Polícia Federal", acrescentou.

Segundo a nota, foram analisadas as licenças da empresa que transportou o óleo, que foi recolhido pela Chevron na região do vazamento, a quantidade de resíduos transportados, a operação de separação do óleo e o armazenamento do óleo recolhido.

 saiba mais
Mancha de óleo vazado voltou a diminuir e se afasta do litoral, diz ANP
Suspensão de perfuração não terá impacto em produção, diz Chevron
MPF abre mais três investigações sobre vazamento de óleo no Rio

Inquéritos
O Ministério Público Federal (MPF) em Macaé (RJ) abriu nesta segunda-feira mais três inquéritos para investigar as condições e consequências do vazamento de petróleo no Campo do Frade.

Dois dos inquéritos buscam avaliar se houve omissão do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) na elaboração dos planos regionais e nacional de contingência e na fiscalização. A investigação quer apurar ainda se Agência Nacional de Petróleo (ANP) também falhou no controle da atividade das empresas petroleiras.

A empresa norte-americana Chevron informou, por meio de sua assessoria, que ainda não foi notificada da abertura do inquérito, mas ressaltou que "respeita as leis e cumpre as normas do país onde opera".

O G1 procurou também Ibama e ANP, que não responderam até a última atualização desta reportagem.


Atividade de pesca Outra frente de investigações quer apurar quais serão os impactos do vazamento de óleo para a atividade de pesca e para a economia dos municípios de Macaé, Casimiro de Abreu, Carapebus e Rio das Ostras.

"Incidentes como esse dão impulso a discussões sobre os riscos da atividade de exploração de petróleo. É importante que os órgãos competentes efetivamente fiscalizem se as empresas operam dentro dos níveis de risco tolerados pelas licenças e normas ambientais," disse o procurador da República responsável pelos inquéritos, Flávio de Carvalho Reis.

A Chevron já é investigada em um inquérito aberto pelo MPF em Campos (RJ) que pretende apurar a responsabilidade pelo vazamento. O depoimento do presidente da empresa no Brasil, George Buck, está marcado para o dia 7 de dezembro.

Para começar as investigações, o MPF pediu à Marinha, à ANP e ao Ibama o envio de cópias de todos os relatórios técnicos relacionados ao acidente ambiental e esclarecimentos quanto aos impactos do vazamento na pesca da região.

Suspensão da perfuração Na quarta-feira passada (23) a diretoria da ANP decidiu suspender as atividades de perfuração no Campo de Frade "até que sejam identificadas as causas e os responsáveis pelo vazamento de petróleo e restabelecidas as condições de segurança na área".

Apenas a Chevron opera no Campo de Frade, onde no último dia 8 foi identificado vazamento em um poço de extração de petróleo. A empresa não tem atividade em outros campos.
Em audiência pública na Câmara dos Deputados na semana passada, o presidente da Chevron no Brasil, George Buck, pediu "desculpas" aos brasileiros e ao governo pelo vazamento no Campo de Frade. Ele disse que a empresa norte-americana foi eficiente em conter o vazamento de petróleo.

Também na quarta, a diretoria da ANP rejeitou pedido da Chevron para perfurar novo poço no campo para atingir a camada pré-sal. De acordo com a agência, “a perfuração de reservatórios no pré-sal implicaria riscos de natureza idêntica aos ocorridos no poço que originou o vazamento, maiores e agravados pela maior profundidade."




SAÚDE NO RIO - Diretor do Hospital Souza Aguiar deixa cargo após denúncia . Então foi verdade !!! Prefeitura havia desmentido

Pane em aparelho de oxigênio teria causado morte
O Globo
RIO - Quatro dias após a denúncia de que um problema no sistema de abastecimento de oxigênio do Hospital Souza municipal Aguiar teria ocasionado a morte de um paciente, o diretor da unidade, Josué Kardec, deixa o cargo. A Secretaria municipal de Saúde, por meio de nota, anunciou a saída, mas não tratou o fato como uma exoneração.

Kardec, de acordo com a nota, "foi convidado pelo subsecretário de Atenção Hospitalar a contribuir com seu trabalho de gestão no Nível Central da Secretaria de Saúde e Defesa Civil." O texto informa ainda que o convite já teria sido feito "há cerca de 15 dias e representa o reconhecimento do trabalho desenvolvido por Kardec nos últimos quatro anos à frente de um dos maiores hospitais do país." Ele passará a trabalhar na sede da própria secretaria, mas continua na direção do hospital até conclusão da transição.

Defeito no equipamento teria durado seis horas
O comunicado não faz qualquer referência ao episódio ocorrido na última quinta-feira, quando o sistema de abastecimento de oxigênio do hospital sofreu queda de pressão. A direção alegou que a pane teria sido causada por um problema na válvula que controla o equipamento.

O defeito, porém, segundo denúncia do presidente do Sindicato dos Médicos, Jorge Darze, teria afetado pacientes que precisam de respirador, como um rapaz, de 29 anos, internado no Centro de Tratamento Intensivo. Ele teria sofrido uma diminuição drástica na quantidade de oxigênio que recebia e morreu uma hora e 20 minutos depois. Internado desde o dia 16, com traumatismos craniano e abdominal, causados por queda de um vagão de trem, o paciente estava em estado grave.

— Não somos Deus para saber se ele iria sobreviver ou não aos traumatismos, mas com certeza a falta de oxigênio levou ao óbito — disse Darze, na sexta-feira.

O problema no sistema de oxigênio teria começado por volta de meia-noite de quinta-feira e só normalizado seis horas depois, levando ao fechamento da emergência. Funcionários do setor contaram que os respiradores começaram a tocar alarme. A distribuição teria sido desigual, prejudicando mais a UTI adulta e pediátrica. Ainda, segundo funcionários, não havia qualquer esquema para emergências.

Na sexta-feira, a Secretaria municipal de Saúde emitiu nota na qual informava que "o sistema de emergência, alimentado por cilindros independentes, fora ativado imediatamente." A direção do hospital, nesse mesmo dia, afirmou desconhecer qualquer óbito ocorrido na unidade relacionado à pane.

Na nota emitida ontem, a secretaria informou que a nova direção do hospital "já foi definida e será apresentada tão logo seja concluída a transição, a ser feita sem nenhum prejuízo ao atendimento oferecido no hospital".

fonte o globo Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/diretor-do-hospital-souza-aguiar-deixa-cargo-apos-denuncia-3344414#ixzz1f5Qncemh
 

HORROR NAS BARCAS - Advogado de processo contra as @barcas_SA estava em acidente. 65 FERIDOS .

Ele relata os momentos de pânico na chegado ao Rio nesta segunda
Rafael Galdo


Uma mulher caiu após colisão e foi socorrida por outros passageiros Foto do Leitor Ralph Lichote
RIO - Um advogado que move uma ação para cassar a concessão da Barcas S/A estava entre os passageiros que viveram momentos de pânico no início da tarde desta segunda-feira, quando um catamarã social que fazia a travessia Niterói-Rio bateu contra o cais da Praça Quinze, com 907 pessoas a bordo. Ralph Anzolin Lichote é presidente da Associação Nacional de Defesa dos Usuários de Transporte. E um dos advogados de uma ação popular que tramita na 15ª Câmara Cível do Rio em que é pedida a caducidade da concessão das linhas das empresa, alegando que a concessionária não teria cumprido itens do contrato com o estado, como a construção de uma estação das barcas em São Gonçalo.

Ele conta que viajava próximo à popa da embarcação. Quando a barca se aproximou da Praça Quinze, diz ele, os passageiros perceberam que, em vez de diminuir a velocidade para atracar, como faz normalmente, o catamarã manteve a velocidade de quando está no meio da Baía de Guanabara.

— Só ouvimos uma pessoa gritando no sistema de som da embarcação: “abaixa o ferro, abaixa o ferro”. Um passageiro que estava do meu lado alertou que a barca bateria. As pessoas correram para o fundo da embarcação, que continuou com toda velocidade até a colisão. Muita gente bateu com o rosto nos bancos. A barca, então, voltou uns 150 metros para trás, e retornou sua trajetória em direção ao píer, até bater de novo. Foi um grande susto. Não tinha socorro. Umas 15 pessoas ficaram caídas no chão. E o socorro demorou a chegar. Eu, felizmente, só fiquei com dores na coluna — relatou o advogado.

Em primeira instância, ano passado, a ação em que Lichote é um dos advogados recebeu parecer favorável. Pela decisão da Justiça, seriam cassadas as concessões para todas as linhas operadas pela Barcas S/A, exceto a Niterói-Praça Quinze. Mas a concessionária recorreu da decisão. O caso seria julgado em segunda instância no último dia 22 de novembro. Mas o julgamento foi adiado, e deve ocorrer no início do ano que vem

Fonte O Globo Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/advogado-de-processo-contra-as-barcas-estava-em-acidente-3342880#ixzz1f5Lel8Z6 

InSEGURANÇA NO RIO - Deputado Geraldo Moreira sofre tentativa de assalto na Rio-Magé

Carro oficial da Assembleia Legislativa foi atingido por três disparos, político não ficou ferido
Carla Rocha 

O carro oficial dirigido pelo deputado estadual Geraldo Moreira (PTN) foi atingido por três disparos Fernando Quevedo / O Globo
RIO - O deputado estadual Geraldo Moreira (PTN) foi vítima, na noite de segunda-feira, de uma tentativa de assalto ou atentado. Ele foi atacado quando passava pela Rodovia Washington Luís, na altura do antigo KM 18. Segundo o parlamentar, um grupo — provavelmente três homens — num carro prata o abordou, determinando que ele parasse. Ao perceber que se tratava de um ataque, Geraldo, que dirigia um Bora oficial da Assembleia Legislativa do Rio, contou que se desesperou e acelerou para fugir e teve seu carro atingido por por três disparos. O deputado, que não se feriu, foi perseguido por cerca de quatro quilômetros até se proteger num posto de gasolina.

O ataque aconteceu por volta das 23h. Moreira disse que tinha saído de sua casa, em Pilar, Duque de Caxias, para se encontrar com um líder comunitário de um loteamento conhecido como Chácara Rio-Petrópolis, perto de Santa Cruz da Serra. Ao voltar, sozinho, o deputado disse que dirigia em baixa velocidade, cerca de 50Km/hora, por causa do tempo chuvoso, quando um carro prata emparelhou com o dele. O motorista desceu armado.

— Ele gritava para, para. Fiquei atordoado. Logo vi que outro saía do banco de trás também armado. Engatei a primeira e fugi. Não sei se antes disso ou quase ao mesmo tempo houve os disparos. Um tiro deve ter passado a dois centímetros de onde eu estava, podia ter acertado a minha cabeça — contou o deputado, ao deixar a 60ª DP (Campos Elíseos), onde prestou depoimento.

Geraldo relatou que, ao parar no posto, os bandidos seguiram pela Washington Luís. Ele disse que a ação foi muito rápida e pôde apenas ver que um dos criminosos era jovem e usava boné. Geraldo acredita ter sido uma tentativa de assalto, mas outra possibilidade, de acordo com ele, será investigada. O deputado contou que, há cerca de dois meses, foi informado por meio de um telefonema anônimo para o seu celular que haveria um plano para matá-lo com origem no Batalhão de Operações Especiais (Bope). Moreira, que já presidiu a Comissão de Direitos Humanos da Alerj, disse que nesta terça-feira pedirá reforço de segurança à presidência do Legislativo e comunicará o fato à Secretaria estadual de Segurança.

— Na ocasião, não dei muita importância (à denúncia anônima), achei até que fosse algum tipo de brincadeira, mas agora vou tomar providências para reforçar minha segurança.

O Bora preto placa LKY 6657 usado por Geraldo Moreira tinha marca de dois tiros na porta do motorista e o vidro do mesmo lado estilhaçado por um terceiro disparo.

Geraldo Moreira é acusado no processo do assassinato do médico Carlos Alberto Peres Miranda — que teria sido namorado da ex-mulher do deputado, Leila Mayworm Costa — ocorrido em março de 2008 na Rua Andrade Neves, na Tijuca. O médico dirigia seu Peugeot 306 quando foi atacado a tiros e morreu na hora. O deputado é suspeito de ter sido o mandante do crime.

Logo após o assassinato, foram presos Ulisses Matheus Costa, de 23 anos, e Leandro Rosa da Silva, de 27. Eles contaram à polícia que tinham sido contratados por PMs e ex-policiais para matar o médico. Um dos PMs, Marcelo Gonçalves Brasil, de 31 anos, do 39 PM (Belford Roxo), foi preso na mesma noite do crime. Ele seria amigo do deputado Geraldo Moreira. No mesmo batalhão, também foi detido Ivan Luiz Bayer. O ex-PM Aílton Silva Diniz, o Abel, teve a prisão temporária decretada e está foragido. Os assassinos teriam recebido R$ 25 mil pela execução.

No ano passado, o deputado seria convocado a depor na 19ª DP (Tijuca), que investiga o caso, sob a acusação de que teria oferecido R$150 mil para convencer a testemunha-chave do processo de homicídio, que foi assessora dele na Assembleia, a mudar suas declarações para inocentá-lo das denúncias

Fonte O Globo Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/deputado-geraldo-moreira-sofre-tentativa-de-assalto-na-rio-mage-3344649#ixzz1f5ITedEX
    

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

ImPERÍCIA NO RIO - Acidente com catamarã deixa 55 feridos no Rio; 11 ficam internados

DA AGÊNCIA BRASIL

O acidente com o catamarã (embarcação com dois cascos paralelos) Gávea I, que faz a ligação entre Niterói e Rio, deixou 55 pessoas feridas no início da tarde desta segunda-feira. A Secretaria Municipal de Saúde informou que 11 passageiros permanecem internados, todos fora de perigo.
Segundo o gerente da concessionária Barcas S.A., empresa que administra o transporte, Mário Liberalli de Góes, o barco, que transportava 907 passageiros, se chocou duas vezes com um píer desativado ao lado da estação Praça XV.
A cirurgiã-dentista Daniele Lima, 38, que ajudou socorrer alguns passageiros feridos na colisão, disse que não havia nenhum socorrista a bordo do Gávea I. Segundo ela, os funcionários da Barcas, após a primeira batida, pediram às pessoas que ficassem sentadas e vestissem os coletes salva-vidas.
"Eu me mantive bem tranquila, pois tinha 900 pessoas me pedindo ajuda. A pessoa que estava no comando da barca teve muito controle, pois poderia jogar a barca em direção ao aeroporto Santos Dumont (que fica ao lado da estação)".
A advogada Márcia Neves Santiago, 34, relatou que os passageiros ficaram sem saber o que estava acontecendo, já que, em nenhum momento, foram informados sobre a colisão.
"O pânico foi enorme com a primeira batida, porque voou gente pra tudo que é lado, há até cadeiras quebradas. Aí, veio a segunda batida e mais gente caiu, mais gente voou. Ficamos muito tempo ali, sem nenhum tipo de ajuda. Não tinha equipe de socorro a bordo", disse a advogada.
Em nota, a Barcas S.A informou que os feridos com escoriações leves e sintomas de ansiedade foram atendidos no local por homens do Corpo de Bombeiros e funcionários da própria concessionária. A nota diz ainda que algumas cadeiras do catamarã se soltaram por causa do impacto.

Fonte Folha http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1013417-acidente-com-catamara-deixa-55-feridos-no-rio-11-ficam-internados.shtml
   

InJUSTIÇA NO RIO - Promotoria recorre contra absolvição de ex-PM no caso João Roberto

O Ministério Público do Rio entrou com recurso nesta segunda-feira contra a absolvição do ex-policial militar Elias Gonçalves da Costa Neto, acusado como responsável pela morte do menino João Roberto Amorim Soares, 3, em 2008.

Justiça absolve ex-PM acusado de matar menino João Roberto

Reprodução

João Roberto Amorim Soares, 3, morto por policiais militares ao ter o carro da mãe confundido com o de criminosos, no Rio
Neto foi absolvido no dia 24 pelo Tribunal do Júri. O recurso é do promotor de Justiça Riscalla João Abdenur. Para ele, a decisão do jurados, é contraditória.

Segundo o promotor, mesmo tendo considerado o ex-PM como autor da morte de João Roberto, os jurados decidiram absolvê-lo. Os jurados "reconheceram ser ele um dos autores, mas, por motivos desconhecidos, até mesmo da defesa, tomaram uma decisão contraditória", afirma Abdenur.

João Roberto foi assassinato em 2008 na Tijuca, zona norte, quando o carro em que estava com a mãe e o irmão de nove meses foi atingido por disparos da polícia. Os ex-PMs alegam ter confundido o veículo com outro, supostamente utilizado por criminosos. 

Em depoimento, Neto disse que fez apenas um disparo para o chão na noite da morte do menino e acusou o outro policial que estava no carro, William de Paula, de atirar contra o carro.

Em agosto, a Justiça condenou o Estado do Rio a pagar uma indenização de R$ 900 mil à família de João Roberto, além de uma pensão para seus pais e os custos do seu velório e enterro.

Na decisão, a juíza Maria Paula Galhardo afirmou que é inegável que a criança "faleceu em razão da ação direta dos agentes públicos, policiais militares". 
Em dezembro de 2008 William, o primeiro a ser julgado, foi condenado a sete meses de prisão em regime aberto. O Ministério Público recorreu e a sentença foi anulada. Ele aguarda em liberdade a abertura de um novo processo também no Tribunal do Júri.

Os dois foram expulsos da corporação. 

CASO DO ROTWEILLER DE PIRACICABA - Vida e Sofrimento do Cão Lobo valem dois salários mínimos e 120 horas de trabalho

Vida e sofrimento do cão arrastado em Piracicaba valem dois salários mínimos e 120 horas de trabalho

O fim da história do cão Lobo, que foi arrastado em Piracicaba pelo próprio dono, pode não ser o mais justo, pelo menos na interpretação dos protetores de animais que acompanham o caso. Isso porque o acusado de maus-tratos, Claudio Cesar Messias, poderá se beneficiar da Lei 9.099/95, que permite a transação penal nas hipóteses de infrações de menor potencial ofensivo e complexidade.

Uma audiência preliminar já está prevista para o dia 30/11, às 14 horas, e o promotor de justiça já elaborou a proposta do Estado, na qual indica que o acusado pague dois salários mínimos, em duas vezes, e realize 120 horas de prestação de serviços no Canil Municipal de Piracicaba. Nem os gastos com o tratamento do cão foram colocados na proposta do Ministério Público. O valor é estimado em R$ 20 mil, já que a maior parte da terapia foi realizada em uma clínica particular, que utilizou até células-tronco para tentar salvar o bicho. Mas o rottweiler não resistiu e acabou morrendo.

Imagem da folha do processo na qual há a proposta do Ministério Público - Crédito: Rosana Junqueira Negretti


O pedido das cinzas do cão, feito há alguns dias por Messias, já havia sido negado pelo juiz. Seu entendimento do que narraram as testemunhas no dia em que o bicho foi arrastado foi de que o acusado havia abandonado o rottweiler no momento em que o desamarrou e o deixou à própria sorte, sem qualquer tipo de socorro. Como também não havia indícios de que o acusado sofria ameaças na ocasião, ele perdeu o direito de posse sobre o cão. Isso leva a crer que há a possibilidade de o acusado ser considerado culpado, caso o processo continue, pelo menos por abandonar o cachorro naquela condição de sofrimento.

É bom entender que caso o ex-proprietário do bicho aceite a proposta do Ministério Público, não quer dizer que ele reconhece a sua culpa. A lei permite que ele concorde com a transação penal sem ter de aceitar que é culpado. Se cumprida a proposta, extingue-se o processo. A única consequência, além de ter de pagar o valor e as horas de trabalho estipuladas, é que ele deixa de poder se beneficiar da Lei 9.099/95 novamente, por um período de cinco anos.

Os representantes da ONG entendem que, caso a proposta seja aceita, será aplicada uma pena mínima pelo tamanho do delito, já que está previsto na Lei 9.099/95 a utilização de 1 a 360 salários mínimos como transação penal. Em nota, a presidente da ONG Vira Lata Vira Vida, Miriam Miranda, manifestou seu descontentamento: “Diante dessa realidade, muito pouco poderá ser feito pelo cão Lobo que sofreu duramente e não terá por parte da Justiça este reconhecimento. A ONG Vira Lata Vira Vida lamenta que, depois de tanto empenho na tentativa de salvar Lobo e na aplicação da lei, estejamos de mãos atadas e mais uma vez o animal será o único condenado em mais um caso de maus-tratos”.
Para a advogada da instituição, como já há na legislação pena por maus-tratos, a transação penal deveria ser mais dura para que servisse como ação educacional. “Acho que ela deveria ser agravada, com uma pena de detenção maior, para que, se convertida em serviços comunitários, tenha uma longa duração e sirva como ação educativa. Você não acha que é simples pagar dois salários mínimos e prestar 120 horas no canil? Dá 15 dias, se converter em 8 horas diárias. Não é nada. Se você pode cumprir em até seis meses, basta ir duas horas por dia”, explica Rosana Junqueira Negretti.

Se não aceitar a proposta do Ministério Público e for condenado, Claudio Cesar Messias poderá ser enquadrado no artigo 32, da Lei 9.605. Neste caso, a pena prevista por maus-tratos é detenção de 3 meses a 1 ano, acumulada com multa. Como o cão morreu, a pena é agravada de 1/6 a 1/3 do tempo.

A reportagem entrou em contato com o Ministério Público para falar sobre o caso, mas não quiseram se manifestar

Fonte Estadao http://blogs.estadao.com.br/conversa-de-bicho/vida-e-sofrimento-do-cao-arrastado-em-piracicaba-valem-dois-salarios-minimos-e-120-horas-de-trabalho/



VAZAMENTO DA CHEVRON - Procuradoria instaura inquéritos para apurar vazamento de óleo

O MPF (Ministério Público Federal) em Macaé (RJ) informou que instaurou três inquéritos civis públicos para apurar fatos relacionados ao vazamento de petróleo de um campo operado pela Chevron, na Bacia de Campos.
De acordo com a Procuradoria, o primeiro inquérito deverá investigar os impactos que o acidente podem causar à pesca e à economia de quatro cidades do Rio: Macaé, Casimiro de Abreu, Carapebus e Rio das Ostras.
Veja Tambem
Cópias de relatórios técnicos sobre o acidente produzidos por ANP (Agência Nacional do Petróleo), Marinha e Ibama foram requisitadas pelo procurador da República Flávio de Carvalho Reis. Ele também solicitou esclarecimentos quanto aos impactos do vazamento na pesca da região.
"Incidentes como esse dão impulso a discussões sobre os riscos da atividade de exploração de petróleo. É importante que os órgãos competentes efetivamente fiscalizem se as empresas operam dentro dos níveis de risco tolerados pelas licenças e normas ambientais," disse o procurador.
No segundo inquérito, o procurador quer apurar "a omissão do Ibama em elaborar os planos regionais e nacional de contingência, previstos há mais de dez anos", informou o MPF. "O MPF quer acompanhar e promover as medidas necessárias para que o Ibama siga a legislação e elabore os planos de contingência", diz a nota da Procuradoria.
O último inquérito, segundo o MPF, irá apurar"a precariedade dos procedimentos de fiscalização da ANP e do Ibama, uma vez que os dois órgãos se baseiam principalmente em dados fornecidos pelas próprias petroleiras em suas fiscalizações".
O MPF quer a adequação dos procedimentos de fiscalização.
O MPF já investiga as causas e a eventual responsabilidade pelo vazamento. O presidente da Chevron no Brasil, George Buck, foi intimado para prestar esclarecimentos sobre o acidente no dia 7 de dezembro.
Editoria de Arte/Folhapress

ESTUPRO - Justiça Italiana condena Mancini por estupro, diz jornal italiano

Segundo Gazzetta dello Sport, jogador do Atlético-MG foi condenado a dois anos e oito meses de prisão

estadão.com.br - São Paulo
Em decisão da juíza Laura Marchiondelli, do Tribunal de Milão, na Itália, nesta segunda-feira, o meia Mancini, que está no Atlético-MG, foi condenado a dois anos e oito meses de prisão por agressão sexual e lesão corporal, segundo o jornal italiano Gazzetta dello Sport.

Mancini tem sido reserva no Atlético-MG de Cuca - Divulgação
Divulgação
Mancini tem sido reserva no Atlético-MG de Cuca
De acordo com o periódico, Mancini foi condenado, após acusação de uma modelo brasileira, que teria sido abusada pelo jogador durante uma festa organizada por Ronaldinho Gaúcho, em dezembro de 2010.
Na época, Gaúcho atuava no Milan e Mancini jogava na Inter. Apesar de a acusação ter sido retirada pela modelo, a promotoria decidiu dar continuidade às investigações e julgar o processo. Isso porque, segundo o jornal, ela teria sofrido pressão de Gerardo Eugenio do Nascimento, amigo de Mancini, a retirar a acusação.
Mancini, que vive má fase desde que voltou ao Atlético-MG, no começo da temporada, teria dado uma carona para a modelo, que não sentia bem. No entanto, o jogador teria levado a mulher para seu apartamento e, aproveitando-se da embriaguez da modelo, a estuprou.
A Justiça Italiana diminuiu a pena pedida pelo Ministério Público, que trabalhava por uma punição de três anos e oito meses.


SAÚDE NO RIO - Hospital Lourenço Jorge perdeu um paciente

Secretaria de Saúde confirma que corpo encontrado próximo à hospital na Barra da Tijuca era de paciente

Ana Carolina Torres e Luciano Garrido 

A Secretaria de Saúde do município do Rio confirmou que o corpo encontrado esta manhã na Avenida Luis Carlos Prestes, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, era de um paciente que estava internado no Hospital Lourenço Jorge.

O homem, encontrado ao lado do hospital, estava com uma sonda e com uma máscara de oxigênio. A secretaria informou que vai apurar as responsabilidades com a direção do Lourenço Jorge.

O caso será levado para a 16ª DP (Barra da Tijuca).

Fonte Extra Leia mais: http://extra.globo.com/casos-de-policia/secretaria-de-saude-confirma-que-corpo-encontrado-proximo-hospital-na-barra-da-tijuca-era-de-paciente-3338246.html#ixzz1f0FyDWTL






COPA 2014 - Poder público perde controle e obras da Copa já estão R$ 2 bilhões mais caras


Pressão política que levou à alteração de parecer no Ministério das Cidades é exemplo da elevação
 
Rafael Moraes Moura, de O Estado de S.Paulo

 
BRASÍLIA - A fraude no Ministério das Cidades que abriu caminho para a aprovação do projeto de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em Cuiabá, R$ 700 milhões mais caro que o original, é apenas um dos exemplos de como o custo das obras da Copa do Mundo escapou do controle público. No que diz respeito à mobilidade urbana, os gastos totais aumentaram R$ 760 milhões, quando comparada a atual estimativa à previsão inicial de janeiro de 2010. O caso de Cuiabá foi revelado pelo Estado na última quinta-feira.

 Veja também:

Levando-se em conta a alteração orçamentária dos estádios, o aumento total das obras da Copa supera R$ 2 bilhões.

A mudança de planos em Cuiabá atendeu aos apelos do governador de Mato Grosso, Sinval Barbosa (PMDB). Além de Cuiabá, houve aumento de preço nas obras de mobilidade urbana em outras cinco cidades: Belo Horizonte, Manaus, Porto Alegre, Recife e Rio de Janeiro.

Em Belo Horizonte, o BRT da avenida Cristiano Machado saltou de R$ 51,2 milhões para R$ 135,3 milhões, acréscimo de 164,3%. Em Manaus, o valor global das duas obras previstas - um monotrilho, já criticado pela Controladoria-Geral da União (CGU), e uma linha rápida de ônibus - aumentou 20%.

O prolongamento da Avenida Severo Dullius, em Porto Alegre, ficou 70% mais caro. Todas as cinco obras de mobilidade urbana programadas para Recife encareceram - entre elas, o BRT Leste/Oeste - Ramal Cidade da Copa, que aumentou de R$ 99 milhões para R$ 182,6 milhões (84,40% de diferença). O Corredor Caxangá (Leste/Oeste), por sua vez, agora custa R$ 133,6 milhões, ou 80,54% a mais.


Exceção. Em São Paulo, por outro lado, a obra do monotrilho despencou de R$ 2,8 bilhões para R$ 1,8 bilhão, o que, no conjunto, reduziu o impacto do aumento de preço em outros Estados. Já em Fortaleza não houve mudança nos investimentos. Em Brasília, a variação foi mínima: 4,48%

FARRA COM O DINHEIRO PUBLICO - Senado gasta R$ 48,9 mil em luminárias

Por Dyelle Menezes
Do Contas Abertas

Muito longe dos medos de apagões de energia que assolaram o Brasil em anos anteriores, o Senado Federal não pretende ficar às escuras. A Casa comprou 115 luminárias ao custo total de R$ 48,9 mil. As aquisições foram feitas em dois empenhos emitidos na última quarta-feira (23). Primeiramente, foram adquiridas 50 luminárias do tipo painel redondo de embutir, pelo custo unitário de R$ 425,26. Os 65 abajures restantes, redondos e com acabamento branco, custaram R$ 425,20.

Esta semana, o órgão que acolhe os senadores da República também fez a contratação de empresa especializada no fornecimento parcela do leite. O Senado comprou 4,7 mil unidades de leite pasteurizado tipo “C” que custaram R$ 6,7 mil ao todo.

Enquanto isso, ali perto, a Câmara dos Deputados se modernizava tecnologicamente. Isso por que a Casa comprou 42 novos Tablet’s, ao custo total de R$ 78,7 mil. Os novos “brinquedinhos” possuem tela de 9,7 polegadas de LED, com Wi-Fi e 3G. 

Apesar dos equipamentos não possuírem entrada USB, o deputados e funcionários da Câmara também compraram, pelo valor de quase R$ 1,5 mil, 50 pen-drives com capacidade mínima de 2 gigabytes, que serão distribuídos no II Encontro Interparlamentar de Quadros de Documentação, Informação e Arquivo de Países de Língua Portuguesa, que vai acontecer entre os dias 28 de novembro e 2 de dezembro de 2011. Para o último dia do evento, às 20h, a Casa reservou em orçamento R$ 5,2 mil para fornecimento de refeição em restaurante ou churrascaria, em Brasília.

Esta semana, o Supremo Tribunal Federal (STF) gastou R$ 250 na aquisição de 100 caixas de lenços faciais de folha dupla. Cada caixa conta com 50 unidades. Caso ocorra atraso injustificado na entrega do pedido, o contratado deverá pagar multa de 0,3% ao dia, até o limite de 30 dias, quando o empenho vai poder ser cancelado com aplicação de penalidade de 10%.

Ainda no Judiciário, a Secretaria do Superior Tribunal de Justiça gastou R$ 1,8 mil para a compra de 90 protetores para pés. Do total, 60 unidades são de algodão cru, e o restante são em 100% algodão com tema infantil.

domingo, 27 de novembro de 2011

MEIO-AMBIENTE - Carlos Minc ( @mincrj ): ‘Vou mandar óleo para eles’ (Entrevista)

POR PEDRO LANDIM

Rio - Investir em estudos ambientais para a prevenção de acidentes, em apoio ao Plano de Contingência Federal — força-tarefa prevista para março —, é o caminho apontado pelo secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, para proteger o Rio de prováveis novos desastres. Classificando como “festival de erros” a atuação da empresa Chevron no episódio do vazamento de óleo na Bacia de Campos, Minc diz que análises ambientais feitas no governo Lula o levaram à negar licença recente à construção de porto em Arraial do Cabo. Ele afirma que o incidente no Norte Fluminense deixa claro que os royalties do petróleo devem priorizar os estados produtores. O secretário vai presentear governadores contrários aos direitos do Rio com amostras de óleo.

O DIA: O senhor disse que o risco zero de acidentes não existe no setor petrolífero. O que pode ser feito em relação a futuras tragédias ambientais?

MINC: — Esse é apenas um acidente de muitos que podem vir. Não podemos achar normal um conjunto de crimes ambientais como esse. No governo Lula, mapeamos a sensibilidade do litoral em trabalho de dois anos, envolvendo 14 universidades, formando diversos atlas das bacias em cada estado. Estudamos ventos, correntes, fauna marinha, vegetação, manguezais. É uma forma importante de pensar prevenção.

De que forma os estudos e conclusões podem ser utilizados no Rio?
Em cima do que foi mapeado, negamos recentemente a licença para a construção de um porto ‘offshore’ em Arraial do Cabo. E até o fim do ano, será lançada a Área de Proteção Ambiental (Apa) da Baía de Ilha Grande, onde muitas empresas querem construir portos e estaleiros ligados à exploração do pré-sal. Não se trata de impedir, mas de colocar ordem na bagunça, regularizar. Navios não poderão, por exemplo, navegar a menos de quatro quilômetros da costa.

Há um plano de contingência sendo articulado pelo governo federal. Há projetos estaduais de prevenção em andamento?
O plano de contingência federal vai ser arrematado em dezembro e está previsto para março de 2012. É uma ação coordenada que envolve diversos ministérios, áreas de Defesa, Portos, Minas e Energia. A criação de um plano estadual só pode vir depois, em colaboração. Quando o problema extrapola, a exemplo do acidente ocorrido no ano 2000, na Baía de Guanabara, entram em cena bombeiros, a Marinha, a Aeronáutica. Mas num caso como esse da Chevron, porém, com ou sem plano de contingência, a Lei do Óleo determina que a responsabilidade por tudo é individual e total da empresa.

Haverá também investimentos em veículos, aparelhagem e tecnologia com essa finalidade?
O acidente mostra que um bom estudo de prevenção significa uma economia gigantesca. Mas o monitoramento tem que ser rigoroso e permanente, contando com aviões, barcos e imagens de satélites. Notificamos a Chevron, e todo o equipamento que está sendo utilizado nas investigações vai ser pago por eles.

Em que medida os royalties do petróleo podem ser importantes para a segurança na exploração e a proteção ambiental?
Isso é algo evidente e que eu venho dizendo há muito tempo. Estamos expostos e vulneráveis, falando de um problema ocorrido a 800 metros abaixo da terra, num poço de 1.500 metros de profundidade. Imagine no Pré-Sal, a partir de 6 mil metros. Coletei varias amostras do óleo e vou mandar frascos de presente para os governadores de outros estados que querem os royalties do Rio. Vou perguntar se eles também querem ficar com um pouco do óleo vazado em Campos.

Quais foram os principais erros da Chevron durante o episódio do vazamento?
Foi um festival de erros. O estudo geológico apontou a vulnerabilidade do solo e a Chevron operou de forma apressada e afoita em relação ao que estava detectado. Em seguida, a empresa minimizou o acidente, editou fotografias para esconder os danos e afirmou, após a ocorrência, que não sabia o que fazer para conter o vazamento. O delegado Fábio Scliar (da Delegacia do Meio Ambiente e Patrimônio Histórico, da Polícia Federal) gravou essa afirmação, feita por um dos responsáveis pela empresa.

E quais foram os principais crimes ambientais cometidos no episódio?
No texto de cada licença de operação dada pelo Ibama, há 20 condicionantes ambientais, como não atuar em desacordo com o que aponta o estudo da geologia. O descumprimento de cada um dos itens configura um crime diferente, segundo a lei de 1998. Então, já falamos aqui de diversos crimes, da negligência à falta de informações. O estrago poderia ter sido pior se as correntes levassem o óleo às praias. Não podemos aceitar passivamente e depois chorar o óleo derramado



Fonte O Dia http://odia.ig.com.br/portal/economia/html/2011/11/carlos_minc_vou_mandar_oleo_para_eles_208798.html
    

AMEAÇAS DE MORTE : CNJ: número de juízes ameaçados sobe 50%

Levantamento mostra que, em 3 meses, a quantidade de magistrados na mira de criminosos foi de 100 para 150

Bruno Góes


RIO - O número de juízes ameaçados no país subiu 50% de 12 de agosto deste ano até hoje. Um levantamento feito pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) revelou que a quantidade de magistrados na mira de criminosos saltou de cem para 150 em apenas três meses. Os dados são baseados nas informações prestadas pelos tribunais locais à corregedoria do CNJ.Logo após a morte da juíza Patrícia Acioli, assassinada na porta de casa em 12 de agosto, houve aumento nas denúncias. Em apenas 13 dias depois do crime, 34 magistrados foram acrescentados à lista, somando 134 casos. De lá para cá, mais 16 foram incorporados à estatística.

O perigo para alguns magistrados não passa somente pela ameaça. O juiz federal da 3 Vara Criminal do Rio de Janeiro, Lafredo Lisboa, descobriu que foram oferecidos R$ 500 mil para quem o matasse, e que havia um plano para sua execução.

— Em 2004, tomei conhecimento pela presidência do Tribunal (de Justiça) que um réu, condenado, prestando depoimento na Vara de Execuções Penais, teria dito que havia uma operação em que eu seria assassinado. A minha morte só não ocorreu porque, em um determinado dia, não passei no local por onde passava sempre — disse.

Procuradora e promotora também na mira
Após saber do plano, o juiz passou a andar com escolta cedida pela Secretaria de Segurança do Rio. Lafredo Lisboa foi responsável pelas condenações do escândalo do Propinoduto 4. O esquema de corrupção eclodiu em 2002, quando a Procuradoria de Justiça da Suíça abriu uma investigação sobre depósitos suspeitos no valor de US$ 33,4 milhões. Entre os acusados de desvio de verba encontravam-se assessores próximos à então governadora Rosinha Garotinho. Eles atuavam na fiscalização de grandes empresas do estado e, em troca da concessão de benefícios fiscais, pediam propina.

Mas não era só o juiz quem corria risco de vida. Os criminosos queriam assassinar a procuradora da República Tânia Maria Sales Moreira e a promotora de Justiça Luiza Lane.

O caso expõe um problema maior, que passa pela precariedade do controle do poder público sobre as forças de segurança: três agentes penitenciários e três policiais civis, além de quatro presos, tramavam a sua morte.

— Esses presos tiveram autorização dos carcereiros para saírem do presídio e executarem a minha morte. Eles tinham um álibi fantástico, e depois retornariam ao presídio. E eu soube do nome das pessoas, os valores que eles receberam. Fora esse depoimento, depois um outro preso confirmou tudo o que eles planejavam — diz o juiz.

Em 2009, a Secretaria de Segurança enviou documento ao juiz e perguntou se ainda havia necessidade da continuidade de escolta e segurança. Sem saber por onde andam os mandantes do crime, em resposta, ele citou o ex-senador Romeu Tuma, morto em 2010, que comentou o caso no plenário: “A vingança não se faz no dia seguinte, podendo demorar anos, na expectativa de que a pessoa fique isolada”.

Para melhorar a segurança dos magistrados, a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) redigiu projeto de lei que está na Comissão de Constituição e Justiça do Senado. Ele prevê a formação de um colegiado de juízes para julgar ações de organizações criminosas e permite posse de armas a agentes de segurança do Judiciário.

— Este projeto é muito similar à legislação que foi adotada na Itália durante a Operação Mãos Limpas. Cria um órgão colegiado de três juízes para apreciar os crimes cometidos pelo crime organizado e pelo narcotráfico internacional — diz Gabriel Wedy, presidente da Ajufe.

Ele diz que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e a Polícia Federal já admitiram que não têm condições de dar segurança a todos:
— A 1 atitude é a aprovação desse projeto, para que os juízes tenham garantia mínima de segurança. A 2 é permitir que o serviço de inteligência da PF trabalhe em consonância com esses agentes de segurança.

:Fonte O GLobo Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/pais/cnj-numero-de-juizes-ameacados-sobe-50-3331902#ixzz1euhlWmwT